11 de mar de 2013

A formação de professores diante do desafio da cibercultura


O computador faz parte das novas vidas! Realmente faz, mas dentro de sala de aula o computador ainda tem menos utilidade do que o coelho da páscoa ou papai noel. Ainda temos (nós professores) uma certeza resistência em utilizar o computador como uma ferramenta cotidiana de trabalho. Na esmagadora maioria dos casos o utilizamos como uma ferramenta de pesquisa, mas não acoplado ao método de ensino que utilizamos. Pensar de forma "não linear" (que justamente a forma com que o computador nos força a pensar) é um desafio ainda para a esmagadora maioria dos professores. Nesta aula vamos falar um pouco sobre isso com base no artigo da nossa colega Maria Teresa de Assunção Freitas. Lembrando que o áudio em mp3 desta aula esta disponível apenas para os assinantes e faz parte do livro"Cibercultura e formação de professores"Segue abaixo os principais trechos:

A formação de professores diante do desafio da cibercultura
Maria Teresa de Assunção Freitas

A aprendizagem é um processo de construção compartilhada, uma construção social. O professor atua neste processo como mediador intervindo com seu trabalho no desenvolvimento do potencial do aluno. Nesta perspectiva a educação assume um papel preponderante. Quando nascemos, não estamos prontos. Somos aquilo em que nos transformarmos a partir das interações sociais da educação que recebemos. Neste processo o educador tem um papel ativo. 64

Observamos entre  ambas as realidades mais aspectos comuns do que diferenças. Os professores tanto de escolas públicas como particulares pesquisadas não conseguiram integrar o computar e a internet em sua prática pedagógica. Apesar de seu uso pessoal, dos cursos oferecidos pela Secretaria da Educação e dos esforços do grupo reflexivo de nossa pesquisa, os professores ainda se mostram tímidos e inseguros, não conseguindo dar o salto necessário para a inclusão destas tecnologias no cotidiano das salas de aula. O computador e a internet ainda estão do lado de forma das salas de aula.

Fica evidente que há uma preocupação da escola em não se manter a margem e introduzir os computadores no espaço físico da instituição. O problema é que a instituição escolar esta vivendo esta incorporação como uma intrusão, como algo que é necessário ser usado, para se mostrar atualizada e até como um marketing de qualidade, porém sem saber muito bem por que e para que e como utilizar essa ferramenta. Sem conhecer os efeitos de seu uso na aprendizagem, no currículo e na organização da sua própria instituição, sem ter uma idéia definida do que realmente esses computadores representam. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acesse meu site e tenha acesso a todos os áudios: www.ubiratangeo.com