17 de abr de 2009

Radioblogtv apóia a iniciativa da ONG Parceiros da Educação: mais temos que ir além do material

O Diego Monteiro me mandou hoje uma notícia 10! Eu sempre comento com meu colega empreendedor que gosto de ser professor, mas não gosto da posição de professor dentro do contexto educacional contemporâneo! O professor ainda tem a imagem de um cara que não se envolve com a sociedade e vive na sala de aula em uma espécie de ostracismo voluntário o que dá margem para a frase: quem não sabe fazer ensina. Esta é a visão da maioria das pessoas sobre professor! Veja o recado que o Audney (ouvinte da Radioblogtv) me deixou e a imagem que ele traz sobre a atividade de professor:

Ubiratan;;;Primeiro Feliz Pascoa...E obrigado pelos audios estão sendo muito útil...Parabéns, você não tem vicios de linguagem, fala bem e de forma clara...Mas parabéns mesmo, se me perguntasse o que poderia melhorar?Eu diria, pra parar de dar Bom Dia nos audios...rsrsahahahahaMas ta de parabéns cara?Você manja bem de ADMINISTRAÇÂO...O que você faz da vida cara, tu deveria ser dono de empresa ou algo assim e nãoprofessor...rs
Veja que a visão do Audney é da maioria da sociedade: se eu tivesse vicíos de linguagem, falasse mal e de forma confusa e não manjasse nada de administração ai sim eu estaria capacitado a ser professor! (rs). Brincadeira viu Audney estou usando seu coaching comigo para ilustrar uma situação! rs. Eu sou professor e como tal sou, naturalmente, inclinado a ser empreendedor! Se ensino os alunos a apostarem na vitória frente a desigualdade e através do capitalismo porque eu mesmo não me arriscaria?
Por que eu mesmo não iria quer ser empresário? Tenho um negócio também! Aposto nele! Tenho um blog que vai virar um grande e dinâmico centro educacional! É o que o professor Peter Drucker dizia: webeducation! Eu Gosto de estar na sociedade apesar de gostar da sala de aula também! Ora, sou da opinião que devemos ensinar somente o que sabemos (ou tentamos) fazer! Para mim professor tem que ser como um tutor ou um desbravador! Tem que ser o cara que vai para cima da sociedade. Tem que ser o cara que aprendeu a “jogar as regras do sistema” e vai além do sistema.
E para isso o professor tem que conhecer o sistema capitalista para poder ensinar os alunos a desempenharem bem neste sistema e não ficar fazendo a cabeça da molecada para ir contra ele como é costume de alguns como bem mostra a reportagem da Revista Veja: Prontos para o século XIX. O professor fala mau do sistema e vive pendurado no cartão de crédito! Mas, vamos ao que interessa! Daí a necessidade do próprio professor se aventurar no mundo do empreendedorismo. Não posso falar de algo que não vivo! Mas, hoje ainda se dá ao contrário do que seria o necessário. O capitalismo (aliados ao sistema político chamado democracia) é um sistema que tem uma potencialidade para igualdade fantástico.
Você pode até se assustar com isso, mas é só ler um pouquinho de história! Veja como eram os sistemas anteriores: despotismo oriental (só o Imperador tinha direitos), Idade Média (sangue nobre, sangue plebeu todos eram diferentes já de nascimento), Império Romano (cidadãos e escravos de nascimento) etc.

O capitalismo democrático é o único sistema onde você pode nascer pobre sem berço algum e tem a possibilidade (e possibilidade é apenas uma possibilidade se não for concretizada e ai mora o desafio) de ascender na vida e se tornar uma parcela da elite local, nacional e até mesmo mundial. Da mesma forma você pode nascer herdeiro e morrer na miséria! Tudo isso pode acontecer e acontece! Isto tudo em uma única vida! O problema deste sistema é que ele é dinâmico demais para o sistema educacional que herdamos da Modernidade.

Passamos 12 anos decorando datas, aprendendo a escrever, fazer contas sem contexto, buscando notas escolares que não refletem notas de verdade e aprendendo a detestar o conhecimento. Mas, a escola ainda assim tem futuro. Aliás, o futuro esta na ensino e no processo de aprendizagem. O que precisamos é fazer a máquina girar. E fico feliz que iniciativas como a da CPM Braxis estejam chegando de fato as escolas públicas. A ONG Parceiros da Educação tem buscado compreender como funciona o sistema e buscado soluções. O Diego me mandou a reportagem sobre essa parceria entre CPM Brasix e a ONG. O título é "O professor também tem nota" e saiu na Revista Exame! Eles investiram:

Num primeiro momento, as ações seguiram o passo-a-passo da cartilha básica de projetos sociais em educação: reformas e pinturas em salas de aula, corredores, banheiros e refeitório. A sala de leitura foi ampliada, e o laboratório de informática, equipado. O fim das obras, em julho de 2004, criou expectativa em torno de como a escola se sairia no sistema de avaliação da rede estadual naquele ano
Mas, o resultado não foi como esperado:

Em fevereiro de 2005 vieram os resultados. Com eles, veio também o primeiro desapontamento - e a primeira lição. "O desempenho dos alunos não acompanhou o ritmo das obras", diz Lúcia Fávero, coordenadora da Parceiros da Educação, ONG criada da experiência da CPM Braxis com a Travassos

Foi bom para eles! Foi bom para CPM Braxis e para todos os professores e profissionais de educação que alegam que “a falta de condições”. O que falta a estes alunos é o mesmo que falta aos funcionários das grandes corporações: motivação e visão de mundo. O que falta a estes alunos é o mesmo que falta aos funcionários das grandes corporações: metas e objetivos claros. O que falta a estes alunos é o que falta aos funcionários das grandes corporações: uma visão de mundo (uma missão). Sem isso não tem como mudar os resultados.

No fundo estes alunos não são diferentes dos funcionários das grandes corporações. É uma visão preconceituosa achar que um banheiro novo ou uma sala nova vai fazer o aluno ficar motivado para estudar. Todos nós já entramos em grandes empresas multinacionais e já vimos que lindas instalações eles tem e MESMO ASSIM é necessário pagar um palestrante de centenas de reais para motivá-los!

Mesmo assim é preciso pagar palestrantes a peso de ouro para motivar funcionários que ganham mais de 5 mil reais, tem grandes benefícios, andam com bons carros, tem excelentes férias, planos de carreira e bons planos de previdência privada! Eles tem tudo isso e ainda precisam ser motivados! Porque somente um banheiro novo poderia motivar excepcionalmente estes alunos? E vejam que não é qualquer empresa que paga um palestrante motivador: BankBoston, Coca-Cola, IBM, McKinsey, Infraero, Oppurtunity, Scania, Credicard e mais (clique aqui).
Todos somos iguais em temos de necessidade. Mas, eu gostei e vou sempre postar coisas sobre a iniciativa da CPM Braxis! Eu gostei da frase que li no portal deles: cpmbraxis
Garfinkel acompanha de perto a performance de suas escolas - em 1997, a Porto Seguro assumiu também a escola Prof. Homero Santos Fortes, com 2,7 mil crianças, e em 2003 adotou a escola Maria Zilda Gamba Natanael, com 2,7 mil alunos. E se diz decepcionado com os resultados do último Ideb da escolas, que ficaram abaixo da média do estado.Apesar da ameaça, dificilmente Garfinkel vai abandonar o projeto. A Porto Seguro, para manter um canal permanente de acompanhamento com as escolas e desenvolver outros projetos
Vamos acompanhar e apoiar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acesse meu site e tenha acesso a todos os áudios: www.ubiratangeo.com