19 de set de 2008

Resumo Resenha Palestra Mp3 – O Banqueiro dos Pobres

Meu queridos! Acabei de ler um livro fantástico: “Muhammad Yunus – O Banqueiro dos Pobres”. Este é um livro completíssimo! Fala de tudo! É um livro que vai gerar mais de uma dúzia de palestras aqui na Radioblogtv! Com ele podemos discutir educação familiar, educação empreendedora, educação institucional, educação escolar, educação acadêmica, empreendedorismo, redes sistêmicas e, principalmente podemos discutir Gestão de Pessoas...

Antes de mais nada quero dizer que Yunus ganhou o premio Nobel da Paz em razão direta do Grameen Bank que é seu projeto
Você pode conferir a reportagem completa aqui:

http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/2006/10/13/ult1766u18138.jhtm

O Grameen Bank não é somente um projeto de banco, mas é também uma instituição de luta contra a discriminação e violência contra as mulheres indianas. O Grameen Bank também não pode ser entendido como somente um banco
porque ele gerou efetivamente ascensão social de milhares de pessoas. O projeto de Yunus nos faz realmente entender como deve funcionar uma organização sistêmica que não somente gere lucro, mas também atenda as necessidades das pessoas que estão direta ou indiretamente ligadas a ele.

Pode parecer conto de fada, mas o Grameen Bank conseguiu fazer isso. o se tornou uma instituição dependente de “doações” para fazer o bem (como é o costume de muitas ONGs) e nem viciou os pobres em caridade, mas realmente ensinou estes a “pescar”. São histórias maravilhosas que se sustentam em uma filosofia de vida (e de negócios) fortíssima. Yunnes é revolucionário em termos de teoria econômica (como também o é em termos de teoria administrativa e de gestão de pessoas). Em um determinado trecho do livro ele afirma:

"A opinião geral é que não haveria melhor remédio para a pobreza do que a criação de empregos. Ora os economistas só reconhecem um único tipo de emprego: o emprego assalariado. Em suas obras nunca falam em trabalho autônomo. No mundo concebido por economistas, supõem-se que passamos a infância e parte da juventude num esforço incessante para estar em condições de conquistar nossos empregadores potenciais. Quanto estamos prontos, apresentamo-nos ao mercado de trabalho, e quando não se encontra um empregador os aborrecimentos começam. Os que moram nos paises industrializados devem se resignar a uma vida de beneficiários do amparo social; e os que moram nos paises subdesenvolvidos, a uma existência de pobreza e miséria. A idéia de que um jovem deva trabalhar duro para servir a um empregador me parece simplesmente revoltante. Faz-me lembrar o tempo em que as mães ensinavam as filhas a se tornarem sedutoras para arranjar marido"

Por ai vocês tem uma idéia da visão de mundo deste economista que saiu de uma situação confortável nos Estados Unidos para se aventurar nas aldeias de Bangladesh. Um homem que deixou os círculos intelectuais de uma universidade para conversar com mulheres simples de um continente subdesenvolvido (a Índia na década de 70 era desenvolvida, mas hoje é um país em desenvolvimento). Um homem que começou um negócio milionário emprestando 22 cents. Um homem que começou com um grupo de 5 mulheres e hoje tem 3,8 milhões de associados. Um homem que deu liberdade a centenas de milhares de mulheres que viviam oprimidas por uma sociedade machista e totalmente insensível aos direitos das mulheres (na Índia uma mulher descasada (abandonada pelo marido) é chamada de mendiga).

Temos muito o que aprender com o Projeto Grameen Bank: sua proposta, sua forma de organização, a rede sistêmica que ela criou, os valores empregados, a forma de educação etc... E claro tudo isso é Gestão de Pessoas e lucro..., muito lucro...

A cada dia vou colocar um podcast em Mp3 para você aprender mais sobre capitalismo, sobre gestão de pessoas e pensamento sistêmico com esse economista Prêmio Nobel da Paz que escreveu sua história no livro "O Banqueiro dos Pobres".



3 comentários:

  1. well its nice to know that you have great hits here.

    ResponderExcluir
  2. QUANDO LI ESTE LIVRO PERCEBI O QUANTO NÃO DAMOS VALOR AS COISAS MAIS SIMPLES DA VIDA .
    Gente como essas pessoas são tratadas como se fossem excluida do mundo real pois mulheres trabahadoras se sustetam em poucos centavos em poucas misérias e nem por isso elas desistem de viver ,pois a cada dia q passa pra eles são mais um dia luta .O sofrimento é grande pois crianças com feição de velhos e velhos com feiçao de criança isso é um absurdo é uma vergonha para esse pais ,sem estrutura de vida melhor ,mais obviamente alguém tinha q tomar a iniciativa se não a cada dia q passase iriam morrer pessoas de inanição ,rediculo entre milhares de pessoas no mundo enchendo sua pansa com ganância sem se preocupa se seu irmão quer um pouco ,mais injustamente não se preocupam investem seus dolares em bilhoes de dolares para q se possa gerar mais corrupção entre corupção isso é q me dá mais medo de enxengar essas pessoas como se fosse um bicho de sete cabeças .

    ResponderExcluir
  3. Disse tudo! Esse livro é realmente maravilhoso porque mostra como uma iniciativa pode fazer EXTREMA DIFERENÇA quando pensada além dos limites do "assistencialismo". Essa cara foi um revolucionário (maior do que Ghandi ousaria dizer) porque fez uma revolução através e por meio dos pobres (revolução de Ghandi sem dúvida alguma foi importante, mas foi apenas política sem se refletir com força na parte econômica). Muito bom!

    Agora, infelizmente a sua narrativa descreve a terrível e devastadora Natureza Humana...

    ResponderExcluir

Acesse meu site e tenha acesso a todos os áudios: www.ubiratangeo.com